associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Europa dá mais 500 milhões para combater desemprego jovem

in Notícias Gerais
Criado em 13 setembro 2017

Os eurodeputados aprovaram hoje um orçamento retificativo que reforça as dotações da Iniciativa para o Emprego dos Jovens. Os 500 milhões são para ser aplicados este ano.

O orçamento retificativo foi aprovado em plenário por 574 votos a favor, 113 contra e duas abstenções.

O passo seguinte está agora nas mãos da Comissão Europeia e dos estados-membros que deverão garantir a “rápida reprogramação dos programas operacionais”, de forma a assegurar que os 500 milhões de euros sejam afetados “de forma eficiente” até ao final de 2017.

No contexto da revisão do quadro financeiro plurianual, o Parlamento Europeu e o Conselho chegaram a acordo sobre uma majoração de 1,2 mil milhões de euros para a iniciativa no período 2017-2020, informa também o serviço de imprensa da instituição.

A Iniciativa para o Emprego dos Jovens nasceu em 2013 para responder aos níveis excecionalmente elevados de desemprego jovem na União Europeia. Dotada de 3,2 mil milhões de euros a preços correntes (acompanhada por 3,2 mil milhões do Fundo Social Europeu), a iniciativa visa “prestar apoio específico aos jovens sem emprego, que não frequentem sistemas de ensino ou de formação e que residam em regiões com taxas de desemprego jovem superiores a 25% em 2012”. A totalidade da verba em termos de dotações de autorização no período 2014-2020 foi antecipada para 2014 e 2015 para acelerar a execução do programa.

De referir que Portugal registou uma taxa de desemprego jovem (pessoas com menos de 25 anos) de 23,8% no mês de julho, contra 27,1% no mesmo mês do ano passado e 23,7% em junho deste ano, segundo dados do departamento de estatística da UE, Eurostat.

Ainda de acordo com dados da Comissão Europeia, até outubro de 2016, a Iniciativa para o Emprego dos Jovens prestou apoio direto a cerca de 1,4 milhões de jovens que não trabalham, não estudam nem seguem qualquer formação nas regiões mais carenciadas da UE.

Fonte: jornaleconomico.sapo.pt, 13/9/2017